Recentemente, assisti a dois filmes sobre os quais ainda não ouvira falar, mas acabaram por ser uma grata surpresa. Vamos a eles:

A Informante (The Whistleblower, Alemanha/Canadá, 2010) - Um drama pesado e que passa longe dos finais felizes hollywoodianos, o filme de Larysa Kondracki merece (ou seria precisa?) ser descoberto pelo grande público. Isso porque lida com um tema que pode assustar os defensores ferrenhos da honestidade da ONU em suas instâncias mais próximas com o público, neste caso a missão das Nações Unidas na Bósnia do pós-guerra. Kathy (Rachel Weisz, simplesmente brilhante) é uma policial americana que aceita um trabalho na missão de manutenção da paz no país devastado pela guerra. Suas expectativas de ajudar a mudar o mundo e ainda ser bem paga se desmoronam quando ela se depara com a cruel e assustadora realidade de uma rede de tráfico de mulheres, que conta com o apoio e a liderança dos próprios membros da força de paz, funcionários de uma empresa de segurança terceirizada, dessas que atuam em países em conflito - contratadas pelo governo americano e pela ONU. Além disso, o filme mostra a própria ONU fingindo ignorância em relação ao assunto. Trata-se de um filme forte e atual, com muita relevância para a discussão de temas como as políticas de intervenção estrangeira em países em guerra. Realista e envolvente.

O Menino de Ouro (Foster, Inglaterra, 2011) - Este é um daqueles filmes feitos com o único propósito de causar aquela sensação agradável no espectador. A história é previsível e seu fim já fica quase inteiramente óbvio nos primeiros minutos de projeção, mas ainda assim ficamos interessados em ver o filme até o fim, especialmente por causa da linda atuação do menino Maurice Cole. O ator-mirim é Eli, um órfão que vive em um lar de adoção. O lugar é visitado por um casal que passou por uma terrível perda - vivido por Toni Collette (O Sexto Sentido e a série United States of Tara) e Ioan Gruffud (o Sr. Fantástico de Quarteto Fantástico) - e eles se candidatam como prováveis pais adotivos. Mas estranhamente, Eli aparece na porta do casal no dia seguinte, afirmando ter sido enviado pela administradora do lar de adoção. Eli é um menino graciosamente precoce: prefere as notícias da CNN a qualquer desenho animado, usa terno, gravata e chapéu como traje favorito, fala de assuntos de gente grande como se fosse um adulto e ainda assim é extremamente encantador. Não é preciso pensar muito, nem ser grande conhecedor de cinema para adivinhar que Eli irá mudar a vida do casal, ajudando a curar as feridas emocionais dos dois, colaborando para reerguer a falida fábrica de brinquedos do marido e levando alegria a todos que encontrar. Mesmo assim é impossível tirar o olho da tela, tamanho o controle que Maurice Cole tem do público. Dirigido por Jonathan Newman (que refilma seu curta homônimo de 2005), O Menino de Ouro é, sim, candidato-mor a reprises na Sessão da Tarde, mas a graça de seu protagonista é ainda capaz de provocar risos e lágrimas em alta velocidade.
As Aventuras de Pi (Life of Pi), adaptação cinematográfica do romance premiado com o Pulitzer de Yann Martel, acaba de ganhar seu primeiro trailer completo. O filme é o primeiro em 3D dirigido por Ang Lee (O Segredo de Brokeback Mountain, Hulk) e trata-se de uma fantasia sobre o herói do título, que logo após um naufrágio se vê em um bote salva-vidas em alto mar ao lado de um enorme tigre de bengala. Os dois acabam desenvolvendo uma inusitada amizade.
O cuidado com o visual do filme é algo que chama a atenção e, a partir do trailer, podemos dizer que a trama passará longe do tédio que se espera a partir da sinopse.
O estudante indiano Suraj Sharma ganhou o papel de Pi depois de vencer uma disputa com mais de 3 mil concorrentes. O elenco ainda conta com o francês Gerard Depardieu, o indiano Irrfan Khan (Quem Quer Ser um Milionário, Homem-Aranha) e Tobey Maguire, como o jornalista que entrevista Pi depois de adulto.
O roteiro foi adaptado por David Magee (Em busca da Terra do Nunca), as filmagens aconteceram na Índia e em Taiwan e todos os animais do filmes foram criados em computação gráfica, o que promete algumas indicações ao Oscar. Pelo que vemos no trailer, é possível acreditar em algumas estatuetas nas mãos de Ang Lee. Pode crer, o trailer é de arrepiar! Confira:


As Aventuras de Pi estreia no Brasil em 25 de dezembro.
Sam Raimi, diretor da trilogia Homem-Aranha, volta a dirigir superproduções de fantasia neste prelúdio de O Mágico de Oz, produzido pela Disney. O filme conta a história de Oscar Diggs (James Franco), um mágico de circo sem muita ética, que é transportado do Kansas para a terra mágica de Oz, onde acha que tirou a sorte grande, ao fazer todos acreditarem que é um feiticeiro poderoso. Mas ele encontra três bruxas, Theodora (Mila Kunis), Evanora (Rachel Weisz) e Glinda (Michelle Williams), que desconfiam de seus poderes. Na jornada para provar seu valor, Oscar torna-se um homem melhor.

O filme estreia em 8 de março de 2013.






Veja o teaser trailer:


David Habben é um ilustrador americano com um porfólio amplo e muito variado, que faz um belo trabalho nesta série denominada "Formas da Consciência" (Shapes of Conscious), na qual desafia sua criatividade, na qual ele começa desenhando uma forma simples, sem um propósito inicial em mente. Assim que a forma fica pronta, ele a preenche com vários personagens que contam histórias variadas. "A ideia", diz Habben, "é sair do meu próprio jeito, permitir que o desenho se desenvolva sem forçá-lo a uma narrativa ou propósito desejado". Eis parte do resultado. A série completa você confere no site do artista, clicando AQUI.

A forma inicial
A partir da forma, vêm os desenhos. Um verdadeiro desafio à criatividade!

                           




Nos anos 90, na África do Sul à beira do fim do Apartheid, o mundo conheceu um grupo de fotógrafos destemidos e completamente insanos que depois ficou conhecido como o Clube do Bang Bang. O apelido surgiu pelo fato de estes quatro fotógrafos de guerra terem registrado momentos cruciais da guerra civil surgida no país de uma maneira fora do comum, entrando na linha de fogo, infiltrando-se nos esconderijos dos dois lados do combate e sendo baleados, tudo para conseguirem boas fotos. 
Repórteres de Guerra (The Bang Bang Club, África do Sul/Canadá, 2010), do diretor Steven Silver, adapta o livro de João Silva e Greg Marinovich - dois membros do clube - de uma forma crua, quase documental, sem apelar para pieguices nem truques, e ainda assim capaz de emocionar.
Como não poderia deixar de ser, aliás. A câmera, quase sempre na mão, parece quase parte do combate, e a tensão está presente sempre que os protagonistas se aventuram em meio a tiros, tanques blindados e explosões e conseguem (quase sempre) sair ilesos. A trama tem início quando Greg Marinovich (Ryan Phillipe) ainda é um fotógrado freelancer novato que consegue entrar no esconderijo dos combatentes zulu e tirar um bom bocado de fotos e logo se junta a outros colegas, passando a trabalhar para o maior jornal sul-africano. A total falta de precaução faz com que os quatro fiquem famosos por suas fotos e o próprio Greg tira uma das fotos mais famosas de todos os tempos, na qual um combatente da CNA - partido favorável a Nelson Mandela - parte, com um facão, para cima de um zulu em chamas. O trabalho de Greg é premiado com um Pulitzer e a fama do grupo corre o mundo, atraindo a atenção de jornalistas de toda parte.
As duas fotos mais famosas do Clube do Bang Bang
O filme também é feliz em mostrar os dramas pessoais de alguns deles, especialmente a vida de Greg e Kevin Carter (Taylor Kitsch, de John Carter - Entre Dois Mundos), que também ganhou o Pulitzer, não por seu trabalho na África do Sul, mas no Sudão: trata-se da mundialmente conhecida foto de um urubu espreitando uma menina faminta em pleno deserto sudanês, esperando que ela morra para poder comê-la. A foto de Carter ajuda o filme a suscitar algumas perguntas sobre a verdadeira relevância do trabalho dos fotógrafos e até que ponto eles devem se manter isentos. A questão ética é abordada com muito equilíbrio, e a atuação do jovem elenco - que também inclui Malin Akerman (de Watchmen) - é sóbria e competente.
O fato é que é impossível manter-se imune a Repórteres de Guerra, pelo menos não diante de um quadro tão bem pintado de um período conturbado da história da humanidade.
Repórteres de Guerra (2010) on IMDb
Valente, nova animação da Pixar, tem estreia marcada para 20 de julho. Assista ao trailer dublado e vá aquecendo para o cinema:


Veja também uma cena do filme:


Agora é só esperar!


O artista americano Peter Stults teve uma ideia muito bacana: reimaginar cartazes de filmes consagrados como se fossem produzidos em um tempo diferente, com outros atores e diretores. O resultado é incrivelmente original e nostálgico ao mesmo tempo. A pergunta é aquela que muitos de nós fazemos: "E se Avatar (ou qualquer outro filme) fosse produzido nos anos 1960?" Stults responde isso, criando verdadeiras peças de design retrô, com um incrível toque de originalidade! Confira algumas imagens, mas a galeria completa pode ser vista AQUI.

'2001' como uma espécie de 'Metrópolis'? Por que eu não pensei nisso antes?
'Avatar' em plenos anos 1970, com William Shatner e Natalie Wood pintados de azul!
Imagine 'Drive' estrelado por James Dean! E com John Ford dirigindo! Estou tendo um treco nerd aqui!
Essa não é tão difícil: John Wayne É o próprio Superman! Peraí: Clint Eastwood como o General Zod? Cool!

'Pulp Fiction - Tempo de Violência', na década de 60

E se 'A Origem' fosse dirigido pelo grande Fritz Lang?



Em meio aos preparativos para o tão aguardado painel de O Hobbit - Uma Jornada Inesperada na Comic-Con 2012, o diretor Peter Jackson publicou o novo cartaz do filme - o mais aguardado do ano. Além desse mimo para os fãs da saga, Jackson também anunciou o final das filmagens da megaprodução, depois de 266 dias filmando na Nova Zelândia.

Desfrute do maravilhoso novo pôster, (re)veja o trailer legendado e aguarde a estreia, em 14 de dezembro!